Caçada aos Pokémons

                                                                                       Caçada aos Pokémons

                                                                                                                                             Norton Luiz

A febre do game “Pokémon Go” mudou a rotina da cidade e criou situações bastante inusitadas. Escolas, ruas, praças, parques e estabelecimentos comerciais, dentre outros, viraram cenários de uma frenética caça de monstrinhos desde que foi lançado no Brasil, no último dia 3. Grupos de pessoas, especialmente os adolescentes, podem ser vistos nos mais variados locais compenetrados na caça às das criaturinhas que o mundo virtual trouxe à realidade, aguçando também o interesse da criançada.  

pokemonEmpunhando seus smartphones e de olhos atentos nas telas dos aparelhos, os chamados treinadores fazem loucuras pela captura dos Pokémons que aparecem aleatoriamente em vários pontos. Os monstrinhos são  identificados nas proximidades da caçada pela função GPS, cujo aplicativo faz então o processamento de uma imagem virtual do Pokémon sobre o sinal obtido pela câmera fotográfica dos aparelhos. Daí em diante é mais alvoroço porque o “bicho-alvo” está por perto.

O jogo da moda faz pessoas, como se estivessem hipnotizadas, invadirem as ruas sem se preocupar com o vai-e-vem do trânsito ou perceberem objetos pelo caminho. Para elas, o mais importante é a captura do Pokémon do game virtual para somar mais conquistas dos desejados monstrinhos. O novo game que chegou ao Brasil depois da explosão de adeptos na América do Norte e parte da Europa e Ásia parece não ter as barreiras do bom senso para sua utilização de forma mais racional e responsável.

A caça aos Pokémons está por toda a parte. O desejo pelo game começou de forma tão intensa que a vida dos pais pode virar um verdadeiro tormento. O interesse dos filhos pela caçada virtual nesse jogo onde eles, os próprios treinadores, se municiam de PokéBolas e incensos nos chamados PokéStops, trouxe o game para uma realidade recheada de consequências imprevisíveis em decorrência do vício e dos perigos que o jogo oferece da forma que está sendo praticado.

 Registros de atropelamentos, lesões por tombos, roubos de celulares e outras situações provocadas pelo game viraram rotina em todos os países onde o “Pokémon Go” chegou.  O tema Pokémon provocou uma mudança estrondosa no comportamento social que deve estar deixando sociólogos e  outros especialistas em estudos das reações humanas de cabelo em pé. O novo App, diferente de todas as recentes novidades oriundas da tecnologia digital, implanta  uma nova e perigosa realidade na vida das pessoas.

                                                                      Norton Luiz Ferreira é Delegado de Polícia

 

Ilustração: Google

 

 

Compartilhar

Categoria Artigos